Cientistas nas Escolas

Ciência di Noz Manera – 2ª edição

No ano letivo de 2022/2023, e em comparação com a edição anterior, trabalhamos não só com mais cientistas, como colaboramos com mais alunos/as e professores/as, de três escolas identificadas pelo governo português como Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) – Escola Pedro D’Orey da Cunha, Escola Dr. Azevedo Neves e a Escola Marquesa de Alorna, localizadas na área da Grande Lisboa.

O público alvo desta edição do programa Ciência di Noz Manera (CNM) foram estudantes do 8º ano, uma vez que no final do 9º ano os/as alunos/as têm que escolher qual a área que deverão seguir (Ciências, Humanidades, Artes, Economia, ou um curso Técnico-Profissional) e, além disso, ao trabalharmos com estudantes do 8º ano também garantimos que a maioria ainda se encontrará a estudar na mesma escola no ano letivo seguinte,o que torna logisticamente mais viável a sua participação na Noite Europeia dos Investigadores, que acontece sempre na última sexta-feira do mês de Setembro.

Na 2ª edição: Nas fases I e II, participaram no total mais de 300 alunos/as das três escolas, sendo que para a implementação do programa contamos com mais de 50 cientistas da Fundação Champalimaud (FC) e Instituto de Medicina Molecular (iMM). Para a fase III (sessões de mentoria), trabalhamos com cerca de 25 alunos/as, dinamizadas por 17 cientistas, que abordaram temas como: cancro, diabetes, cérebro, malária e ADN.

Esta edição decorreu entre Janeiro e Junho de 2023, tendo sido novamente estruturada em três fases:

  • Fase I – Seminários nas escolas (60-90 min): os/as cientistas dão a conhecer a sua experiência de investigação e o seu percurso académico a todos os/as alunos/as.
  • Fase II – Workshops científicos “mãos na massa” nos institutos de investigação (3 horas): cientistas organizam experiências “mãos na massa” na sua própria instituição.
  • Fase III – Sessões de mentoria das escolas (5 a 6 sessões de 90 min cada): na escola os/as cientistas realizam sessões de mentoria a um pequeno grupo de alunos/as (4-5 alunos/as por mentor/a) acompanhando-os no desenvolvimento de um projeto numa área do seu interesse. Durante esta fase são ainda produzidos objetos/materiais através de um processo co-criativo entre alunos, cientistas e outros colaboradores, a serem apresentados na Noite Europeia dos Investigadores.

Uma novidade nesta segunda edição, baseada no feedback recebido no ano piloto, foi a realização de formação para cientistas, que contou com o apoio do parceiro do consórcio, a Native Scientists, que realizou dois webinars de formação. O primeiro focou-se em técnicas e boas práticas de comunicação em ciência, e o segundo focou-se em aspetos relativos às sessões de mentoria, aberto a todos/as os/as cientistas envolvidos no CNM.

O impacto do programa ainda está a ser analisado pelo parceiro do consórcio ImpactEd, porém podemos destacar alguns pontos chave:

  • 55,7% dos/as estudantes responderam que nunca tinham conhecido um/a cientista antes e 16,9% indicaram que não sabiam se tinham conhecido um cientista antes. Apenas 27,4% tinham conhecido um/a cientista antes do CNM, o que sugere que o programa está a fazer um bom trabalho para chegar a estudantes com pouca exposição prévia à ciência.
  • O CNM foi eficaz no estabelecimento de relações entre cientistas e estudantes, uma vez que, no final da mentoria, a maioria dos/as estudantes se identificava mais e com o/a cientista do que durante as primeiras fases do CNM.
  • Os/as cientistas indicaram que o programa lhes tinha permitido praticar e tornarem-se mais aptos na comunicação com públicos não especializados. Deu-lhes também a oportunidade de desenvolverem novas estratégias de comunicação com públicos que talvez não tivessem trabalhado antes.

Deixamos aqui alguns bons momentos do que aconteceu nas três fases do programa, assim como alguns trabalhos desenvolvidos pelos alunos e alunas nas sessões de mentoria.

A segunda edição do programa Ciência di Noz Manera conta com o apoio do consórcio RAISE – Researchers in Action for Inclusion in Science and Education . Graças ao financiamento da Comissão Europeia, ao abrigo das Ações Marie Skłodowska-Curie, esta edição alcançou ainda mais alunos/as do que na 1ª edição

A coordenação do CNM está a cargo de uma equipa de cinco comunicadoras/es de ciência e coordenadoras/es, que trabalham em dois institutos de investigação de ciências naturais – FC e iMM, parceiros do consórcio RAISE.

Financiado pela Comissão Europeia. A visão e as opiniões são, no entanto, apenas do(s) autor(es) e não refletem necessariamente as da Comissão Europeia. Nem a União Europeia nem o financiador deste projeto podem ser responsabilizados.